Em uma das minhas experiências profissionais tive o prazer de trabalhar com os engenheiros e arquitetos responsáveis por toda a infraestrutura de TI dos Jogos Olímpicos e Pan Americanos. É incrível a quantidade de servidores, dados e pessoas que são necessários para suportar estes jogos. Grandes jogos sofrem grandes ameaças e a quantidade de tentativas de ataques por minuto é uma coisa absurda, mais de 1500.

Uma verdadeira operação de guerra é montada para garantir a segurança tanto física como lógica dos jogos, pude analisar alguns dos projetos de segurança da infraestrutura de TI dos jogos,  e posso lhes afirmar que é empregado o que há de melhor em tecnologia e planejamento, profissionais de várias partes do mundo são escalados para a concepção, planejamento, implementação e o suporte.

Falando de Brasil, teremos as Olimpíadas no Rio de Janeiro em 2016, porém nem 20% de infraestrutura de TI está planejada ou montada por nossos governantes. Estimasse que mais de 1 bilhão de reais serão investidos em TI.

Se o projeto fosse meu, eu estaria pensando em utilizar datacenters modulares, aqueles montados dentro de contêineres, como mostrado na foto abaixo:

Características como rápido crescimento, mobilidade e utilização de espaço de forma adequada é o que esse tipo de tecnologia fornece. Muitos falam em Virtualização e Cloud Computing, porém no caso de virtualização ainda não temos uma tecnologia capaz de suportar todo o tráfego de rede e I/O gerados pelos Jogos Olímpicos, imaginem a quantidade de conexões simultâneas para análise de resultados, estáticas e manutenção da infra dos jogos ?! é uma coisa descomunal, bem que empregar servidores com mais de 4 processadores com 8core e 512GB poderão ajudar, afinal estamos falando dos Jogos Olímpicos e  dinheiro não deve ser problema. 🙂

No quesito transmissão de dados/redes, a utilização de fibra ótica ou cabeamento UTP que suporte velocidade de 100Gbps é fundamental. A segurança contra ataques DDoS, cyber terrorismo e vírus estará nas mãos de uma série de profissionais capacitados e com experiência de mercado. Muito provavelmente serão utilizadas barreiras de firewalls e links de alta velocidade e redundantes, como utilizados em empresas como UOL/DIVEO e TIVIT. A utilização de Web application firewalls será fundamental para garantir a segurança dos sites e aplicativos que serão utilizados nos jogos.

A utilização de firewalls em 2 camadas é uma prática de mercado conhecida de mais de 15 anos, mas a utilização destes em múltiplas camadas, ou seja, mais que 2 não. São poucas as empresas que utilizam mais de 4 camadas de firewall para protegerem os seus dados.

Mas uma pergunta vem na cabeça, vale apena investir milhares de dólares na construção de datacenters para suportar os Jogos Olímpicos ? Falo datacenters pois serão necessários 2 grandes datacenters, um em SP e outro no Rio de Janeiro, além de pequenas instalações nos lugares que sediarão os jogos fora do eixo Rio-SP. Essa resposta virá da Atos Origin, empresa de TI responsável pelos Jogos Olímpicos.

O vídeo abaixo, cedido gentilmente pela Andrea Figueiredo, Diretora de Marketing da Atos Origin Brasil, dá uma boa ideia da importância dos jogos e a importância do gerenciamento feito pela Atos Origin:

Não podemos esquecer que depois dos Pan Americanos e Olimpíadas vêm os Jogos Paraolímpicos, jogos para aqueles que possuem necessidades especiais.

Falarei em outros postos sobre a infra dos jogos olímpicos. Vou aproveitar e pedir a Andrea um vídeo feito sobre os penúltimos jogos que traz uma série de informações sobre segurança bem legais.