Moramos em um país que possui as mais altas taxas tributárias (impostos) do planeta. O jeitinho brasileiro empregado para trabalhar, declarar impostos e para criar, distribuir ou fabricar produtos piratas é reconhecido em todo o planeta. Acredito que só perdemos neste quesito para a Somália, o país pirata.

Devido aos impostos brasileiros, o software é um dos itens mais caros, restando para muitos a pirataria como solução para a atualização de seus computadores. Acontece que a pirataria abre uma porta muito perigosa, a da segurança. Como garantir a procedência de um software ou de uma atualização para ele se a fonte não é confiável ?

Já se soube de casos onde novos releases do IOS, software base para switches e roteadores Cisco, foram pirateados e dentro deles havia verdadeiros cavalos de tróia e backdoor sesperando pelas suas vítimas.

Milhares de softwares piratas são vendidos na Santa Ifigênia, em SP, todos os dias e muitos compradores já reportaram sérios problemas como perda de acesso à contas de email e até o furto de dinheiro de suas contas bancárias. Para quem eles devem reclamar quando isso acontece ?!

E infelizmente, a pirataria de software não se restringe aos lares brasileiros. Diversas empresas e órgãos públicos utilizam essa prática para burlar a velha e conhecida burocracia na hora de se adquirir um novo produto.

Quantas vezes vocês já ouviram: Não importa a procedência do software, mas sim se você possui a licença ou não para instalá-lo. Legalmente a pessoa não está errada, é necessária a licença do software e não somente a mídia, mas ela acabou de assumir um risco para toda a segurança da sua infraestrutura pois não se sabe a procedência deste recurso.

Acredito que diversos órgãos públicos brasileiros que sofreram e muito com os ataques dessa última semana não conhecem a procedência de todos os softwares instalados em seus desktops e servidores, e mais, me atrevo a dizer que se for executada uma auditoria, séria, será descoberto que boa parte de seu ambiente não está atualizado, nem com a penúltima versão do Windows, quanto mais com a últimas vacinas para o programa de anti-vírus que utilizam.

Não adianta nada ter uma certificação ISO 27001 se o Sistema Operacional foi comprado por R$ 10,00.