Há dois dias que o site do maior evento de tecnologia da américa latina está fora do ar, o www.campus-party.com.br. Posso dizer que tenho um amor especial por este evento. O frequento desde da sua primeira edição, considerando a terceira como o divisor de águas.

Em minha opinião, o valor do ingresso e das barracas sempre foi justo. Mas o aumento de 300% para este ano não se justifica.

Sei que a edição brasileira é responsável por manter, quero dizer, dar lucro e sobrar uma graninha para as edições fora do Brasil. A arrecadação com patrocinadores é absurda. Passa dos R$ 20 milhões. Então por que deste aumento no valor dos ingressos tão absurdo ?

A Futura Networks tem o apoio de uma série de web celebridades brasileiras para divulgar a sua marca, não pagando quase nada para essa galera. Acreditou que ninguém iria reclamar ou fazer algo quanto ao aumento abusivo no valor dos ingressos. Ledo engano.

Há dois dias que ninguém consegue comprar um ingresso para a #cpbr6 e tudo por causa de ataques DDoS. Aqueles que estressam redes e servidores, e que não há legislação vigente que puna os responsáveis em nosso país.

Relatos e dados coletados apontam que a organização da #cpbr já tentou migrar os seus servidores 3 vezes. Tudo em vão. Vários profissionais já disseram que a Campus precisa utilizar um serviço mais parrudo. Com mais poder de fogo, quero dizer, mais link internet. E quem seria esta empresa ?

Precisaria contratar o serviço de DNS, Load Balance e 4 máquinas virtuais. Essa seria a infra inicial para o pessoal da Campus. Juro para vocês! Acontece que o valor de I/O será altíssimo, isso porque a Amazon inclui o tráfego de rede neste quesito.

E aí vocês perguntam, mas @gustcol, o pessoal está gerando um tráfego, quero dizer, um syn flood de 2GB/s, a amazon tem tanto poder de fogo assim ?

Já vi a Amazon, EUA, aguentar 4gb/s de ataque. O problema foi a conta no final do mês. 🙁

E vejam, a Amazon possui uma zona/datacenter no Brasil. Para ser mais exato, em SP. Então a organização poderia montar o load balance nos EUA, mais 2 servidores por lá e 2 aqui. Dando um peso maior, dedicando mais o tráfego, para o Brasil. Menor latência né.

Bom, tudo o que escrevi é teoria, onde a prática seria posta à prova, e bem rápida, diga-se de passagem.

Boa sorte para o pessoal da Campus.

Atualização: Vale lempbar que o ataque disparado contra o site da Campus é um DDoS Layer4. Bem que as operadoras poderiam ajudar o provedor utilizado pela #cpbr6..

Atualização 2: Os responsáveis pelo ataque contra o site da #cpbr6 liberaram um LOIC via WEB. Ferramenta desenvolvida pelo pessoal do Anonymous para realização de ataques DDOS – usofacomputers.com/loic.html