A Google acaba de perder mais uma batalha no campo dos direitos autorais. Em 2008, a Google tinha fechado um acordo com Authors Guild e a Association of American Publishers, onde poderia escanear quaisquer livros  e indexar o seu conteúdo on-line, criando assim a maior biblioteca virtual do planeta.

Acontece que uma juíza dos EUA rejeitou o acordo dizendo que a Google teria uma série de vantagens sobre os seus concorrentes, e mais, ela iniciaria um processo de digitalização de qualquer livro, sem pedido de autorização – publicou escaneou. Para nós, leitores, isso seria fantástico, poder consultar qualquer texto ou publicação já feita pela humanidade via Internet é um verdadeiro sonho. Imaginem a quantidade de textos e artigos que teríamos acesso ?

O problema é que muitas empresas e escritórios de advocacia que trabalham com direito autoral afirmam que a Google simplesmente irá acabar com a Lei do Direito Autoral e com isso, os autores e suas editoras não irão mais receber pelo seu trabalho.

Mas eu levanto a seguinte questão: Todos nós sabemos que tudo que está no Google é acessado pelo mundo todo. Editoras e autores passam sempre pelo mesmo problema, a divulgação de seus trabalhos. Este problema seria resolvido com os livros digitalizados pelo Google e mais pessoas teriam acesso a trabalhos pouco conhecidos.

A Google pode criar um sistema de subscrição, onde o leitor pagaria US$ 2.00, ou um pouco mais, por mês para acessar uma quantidade x de livros ou de tópicos. Isso já é feito por uma série de empresas como a Safaribooksonline. O problema é que mexer em um mercado secular como o da publicação de livros, artigos e revistas é bem complicado. Lembrem-se da briga que ocorreu com o surgimento do mp3 e o do compartilhamento da músicas via redes P2P na década de 90.

Vamos aguardar pelas cenas dos próximos episódios.