Muitos que leram o título deste post devem estar me chamando de louco, mas vamos aos fatos:

A Internet foi criada por um governo e só cresceu pois ela se popularizou. Empresas vendo o grande potencial deste novo meio de comunicação investiram bilhões de dólares no seu desenvolvimento. Empresas nasceram, cresceram, muitas ficaram multi bilionárias, algumas morreram, já outras foram compradas e todo esse processo envolveu bilhões de dólares, e continua assim, recentemente temos os casos do Facebook e do Twitter.

As maiores empresas do mundo: Microsoft, Apple, Google, Facabook possuem este título devido a Internet. E como não podia deixar de ser criam seus produtos voltados ou conectados à ela, é graças a Internet o seu status e riqueza.

Então se uma empresa investe bilhões de dólares no desenvolvimento de uma tecnologia, é óbvio que ela dará prioridade aos seus clientes e produtos ! Exemplo e a Google, ela da prioridade ao acesso de seus anúncios. A priorização no tráfego de dados ocorre há mais de uma década, essa informação se tornou pública e as pessoas a classificaram como uma exploração. As pessoas falam muito em ética e neutralidade, mas isso é difícil de ser implementado, principalmente quando falamos de bilhões de dólares envolvidos.

Já comentei aqui que o tráfego de dados por streaming vem aumentando drasticamente, e isso ocasionou um problema sério de consumo de banda dentro das operadoras, fora isso, temos as redes P2P que que conseguem consumir 100% de um banda de uma empresa facilmente. No mundo corporativo é comum a implementação de equipamentos que controlam o consumo de banda, para garantir a sua operação e não o download do filme do Dumbo para o afilhado da secretária.

Como dizer ao funcionário para que ele tenha bom senso para utilizar a Internet da empresa onde trabalha ? Costume dizer que: “Bom senso é o que está escrito”. O que é bom senso para mim é uma coisa e totalmente diferente para outra pessoa, daí a implementação de políticas de segurança que restringem o tráfego de redes streaming e P2P dentro de empresas.

Imaginem então falar de bom senso para milhares de clientes, onde a grande maioria possui Internet de alta velocidade, isso falando de Europa e Ásia, por incrível que pareça ainda há muita conexão dial-up nos EUA, mas a malha de dados de alta velocidade vem aumentando rapidamente.

A primeira coisa que este usuário vai querer fazer com o seu super acesso é baixar aquele filme ou música que sempre quis assistir ou ouvir no conforto da sua casa ou do seu carro. Milhares de pessoas fazem isso todos os dias, horas e minutos, e as operadores começaram a sofrer com isso. O Netflix é responsável por mais de 45% de todo o tráfego Internet no Canadá, e olha que este serviço foi implementado não faz nem um ano.

A neutralidade é uma coisa positiva, mas não é rentável para as empresas. A neutralidade na Internet para mim é uma utopia, o que irá existir será um pacote de acesso a Internet e tráfego de dados que darão uma melhor qualidade no download e upload de dados via straming e P2P, e o usuário terá que pagar mais para ter esse pacote.