Não precisamos detalhar e nem explicar a importância dos jogos olímpicos para o planeta. Nenhum evento reuni tantos atletas e diferentes nações. Tivemos uma prévia da alta tecnologia empregada nos jogos realizados na China há 3 anos.

OS chineses gastaram bilhões de dólares só na infraestrutura de dados para suportar poucos meses de transmissão, mas uma massa de informação comparada a alguns anos de dados trafegados na rede surgiu neste curto prazo. A importância da comunicação real-time  nunca foi tão importante. Repórteres, correspondentes e atletas se comunicando o tempo todo, seja pelo celular ou pelo computador. A China demonstrou eficiência em gerenciar tudo isso.

Mas um detalhe chamou a atenção dos jogos realizados na China, a segurança. Não houve relatos quanto a quebra de segurança, tanto física como lógica. Um verdadeiro batalhão de profissionais de TI foi escalado para defender o que há de mais importante nos jogos, os resultados. O sistema e os servidores possuía uma rede totalmente apartada e o acesso era restrito e muito bem controlado.

Acontece que a China não possui problemas com atentados terroristas, digo isso pelo simples fato de Londres ser o país sede dos jogos olímpicos de 2012 e estar gastando milhares de dólares com segurança, e digo mais, me preocupou um pouco saber que o comitê olímpico responsável pelo jogos em Londres gastou um pouco a menos do budget dedicado a montagem de toda a infraestrutura que suportará os jogos.

Segurança nunca é demais, principalmente quando falamos de um país que na última década sofreu e muito com ataques terroristas e participa ativamente de várias guerras, apoiando os EUA.

Pois bem, falta um pouco mais de 1 ano para os jogos de 21012 e o comitê olímpico começou a liberar informações quanto a infraestrutura de dados que foi montada ou que será montada, em poucos meses, para atender toda a população que estiver por lá para assistir ou participar deste mega evento. Uma rede wifi com mais de 120 pontos de acesso será montada no metrô londrino, transporte público este mais utilizado em todo o país, achei bem interessante e prático, mas acontece que quando temos uma rede WiFi para um grande número de pessoas, sempre teremos um grande risco. Crackers utilizarão diversos artifícios e técnicas, muitos deles velhos conhecidos, para roubar os dados das pessoas.

Algumas soluções para coibir este tipo de crime são bem caras e demora um pouco para serem implementadas, já que é necessário, adestrar, quer dizer, treinar o usuário final, e sabemos que isso não é nada fácil. Quero ver como os especialistas em segurança irão tratar deste assunto.

Falando sobre profissionais de segurança da informação, em todo o mundo foram escalados alguns dos melhores para auxiliarem na montagem e manutenção de toda esta infra. A Atos Origin, empresa de TI sediada em Paris e a qual eu já trabalhei, continua recrutando alguns destes profissionais já que e ela é a empresa responsável por suportar toda a infra de TI dos jogos olímpicos até Rio 2016.

Lembro-me de um vídeo feito sobre a quantidade de ataques que as redes e os servidores que suportavam os jogos olímpicos sofriam a cada hora, eram milhares.

Dizem que foram criados 3 datacenters para suportar os jogos londrinos, 2 na Inglaterra e 1 na França. Faz sentido.