Tivemos uma série de eventos migratórios no Brasil por um simples motivo: trabalho bem remunerado. Temos como exemplo os movimentos migratórios dos nordestinos para São Paulo e Rio de Janeiro, de várias pessoas de todo o Brasil para o garimpo do ouro na Serra Pelada ou para construção de Brasília.

Nessa última década tenho observado um movimento de migração oriundo dos profissionais de informática de todo o Brasil, e em alguns casos, da América Latina para o Rio de Janeiro e nestes últimos 5 anos, para São Paulo. São Paulo é sem sobra de dúvidas a capital financeira da América Latina, sede de centenas de empresas, onde realmente o termo business acontece.

Em meados de 2001 e 2002, conheci uma série de desenvolvedores JAVA que trabalhavam no C.E.S.A.R(Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife), esses desenvolvedores, homens e mulheres, saíram do Recife e foram trabalhar no Rio de Janeiro já que estávamos na crista da onda quanto a projetos java devido as empresas de telecom (Telemar, Embratel e TIM). Telemar virou OI e comprou a Brasil Telecom, tendo uma boa parte de suas operações movidas para São Paulo, a TIM moveu-se do Rio de Janeiro para Santo André/SP. Embratel ficou no Rio de Janeiro, mas diminuiu em muito os seus novos projetos.

Tendo esse processo migratório das empresas de telecom, empresas que mais contratam serviços e profissionais no mercado de TI, é claro que diversos profissionais tiveram que mudar as suas residências para São Paulo, já que os grandes salários moveram-se com as empresas.

Para entender melhor esse processo de migração para cidades como Rio de Janeiro e São Paulo é só compararmos os salários entre o Nordeste e o Sudeste. Um Analista Java Sênior recebe mensalmente uma média de R$ 4.000,00 no Nordeste, já esse mesmo Analista receberá um salário médio de R$ 8.000,00 no Sudeste. É o dobro. Isso é devido a quantidade de empresas que necessitam do perfil do profissional citado, no Sudeste a demanda por profissionais é bem maior.

A diferença dos salários entre o Nordeste e o Sudeste está diretamente relacionada ao custo de vida, onde no Sudeste temos um custo duas vezes superior de comparado ao Nordeste, seja o custo de imóveis, alimentação ou ensino.

Nos últimos 5 anos devido à migração de uma série de empresas do Rio de Janeiro para São Paulo, observei que uma grande diferença de salário, na ordem de 30%, entre os profissionais de São Paulo e do Rio de Janeiro vem ocorrendo. Uma das poucas empresas que contrata profissionais de TI no Rio de Janeiro com salários na média de São Paulo é a Petrobras, já que a mesma utiliza o índice como o Datafolha na confecção de suas licitações.

Eu sou um exemplo, trabalhei durante durante 7 anos no Rio de Janeiro, vim para São Paulo devido a migração de uma empresa de Telecom, sai para trabalhar na Europa, EUA e Ásia durante 3 anos em projetos de implementação e suporte a sistemas e estou em São Paulo há 5 anos. Eu vi que isso ocorreu com vários dos meus amigos e colegas de trabalho, são poucos, em alguns casos, raros, que conseguem um bom emprego e não trabalho, na sua cidade Natal, com salários iguais aos de São Paulo.

Em termos tecnológicos, a região Sudeste é mais desenvolvida devido à riqueza que ela gera em todo o Brasil, com isso o governo e as empresas investem mais no Sudeste, um erro, já que temos excelentes faculdades, centros tecnológicos e mão-de-obra especializada e capaz para atender as mesmas necessidades, independente da região geográfica.

Vejo que empresas surgem em diversos Estados como Rio Grande do Sul, Amazonas e  Mato Grosso do Sul, mas seus grandes e contratantes escritórios estão residentes em São Paulo. Veremos como essa década será para os profissionais de TI.

Segue um vídeo falando sobre vagas de emprego na área de TI no Brasil: