O texto abaixo foi escrito pelo amigo Paulo Tenório, idealizador do Traktopro e que merece a nossa total atenção.

Pessoas saem de casa todo dia e acreditam que estão indo trabalhar. Será que as pessoas sabem o que significa a palavra trabalho?
“A palavra “trabalho” tem sua origem no vocábulo latino “TRIPALIU”: denominação de um instrumento de tortura formado por três (tri) paus (paliu). Desse modo, originalmente, “trabalhar” significa ser torturado no tripaliu. Quem eram os torturados? Os escravos e os pobres que não podiam pagar os impostos… ”

Veja bem, muitos ainda se consideram pendurados no Tripaliu. A tortura do dia-a-dia as consomem. Estamos todos cercados por esses indivíduos.
Você ja percebeu que quem gosta muito do que faz não considera o trabalho com algum ruim? Na verdade eles não se imaginam trabalhando e sim se divertindo ou fazendo algo bom?
Músicos, jogadores de futebol, cozinheiras, Garis, empresários, funcionários públicos, professores… Em todas as profissões existem trabalhadores e existem pessoas que fazem o que gostam.

O trabalho só vira tortura quando a necessidade é permanente e as desculpas também. Quando no obrigamos a alguma coisa, trabalhamos. E essa mentalidade é a mesma que pergunta: “Já chegou a sexta? Que horas são? Vamos a luta! To correndo!”
O empregado olha para o relógio impaciente, doido para ir para casa se livrar do Tripaliu, se livrar da tortura mental. O corre da vida, incoscientemente é a fuga do tripaliu. E muitos não sabem que quanto mais correm, mais o tripaliu aperta e ele nunca vai deixar de apertar, nem na aposentadoria, nem no final de semana. O tripaliu está dentro da cabeça e vai andar ali até você dar um basta.

A mentalidade de trabalhador, gera também o conceito de empregado. E empregado no Brasil significa:
“Empregado é a pessoa contratada para prestar serviços para um empregador, numa carga horária definida, mediante salário. O serviço necessariamente tem de ser subordinado, qual seja, o empregado não tem autonomia para escolher a maneira como realizará o trabalho, estando sujeito às determinações do empregador…”

Todo empregado é um trabalhador. Um trabalhador por definição é um torturado. E torturados pensam, torturados saem de casa e da tortura tiram seu sustento. Há séculos o homem vem trabalhando. Há séculos, especialmente no Brasil, o tripaliu se instaurou no imaginário popular. É muito difícil quebrar essa mentalidade.

Muitos profissionais e empresas vivem da tortura. E isso sempre me assustou. No funcionalismo público a tortura é recompensada com a estabilidade da perpetuação do trabalho até a morte ou aposentadoria.
No setor privado não existe estabilidade mas a compensação financeira pode ser maior e isso atrai torturado e torturadores.

Fazer uma pessoa ou empresa despertar que o trabalho é uma ilusão mas a tortura sim é real, custa tempo, dinheiro e muita saliva. A tortura, de tão traumática, deixou marcas profundas na alma de várias pessoas que buscam cada vez mais bens materiais, mais dinheiro e mais compensações para suportar a tortura.

Se houver tempo, e sempre há, olhe no espelho e pergunte se faz o que realmente gosta ou está se torturando das 9 as 6. Pergunte bem sincero, trace um plano, encontre o caminho e determine o fim da tortura. Olhe para o tripaliu pelo retrovisor. Olhe para o futuro e descubra que trabalhar é o padecimento do sonho.