Acabei de bater papo com um amigo que acaba de voltar dos EUA. Ele voltou depois de 6 anos. O que mais lhe chamou a atenção de diferente entre a cultura americana e a brasileira é que: Brasileiro não gosta de ser criticado, muito menos contrariado. Quando isso é feito, ele fica de mal, levando até mesmo para o lado pessoal.

Desde pequenos, nós, brasileiros, fomos acostumados a não criticar ninguém. “Isso é feio”, diziam nossos país. Mas como avaliar uma pessoa ou dizer que ela está fazendo algo errado sem criticá-la. O famoso feedback é um jargão bonito que muitas pessoas para o que ? Criticar alguém ou alguma coisa.

Outro termo que é engraçado e muito empregado por aqui por aqui é a crítica positiva. A pessoa começa a frase dizendo: Farei uma crítica, mas já aviso que é positiva. O ato de criticar é da natureza humana, quando você o faz é porque você possui uma opinião, positiva ou negativa, sobre uma determinada coisa, resta à pessoa analisada aceitar ou não, e serei sincero, o problema é totalmente dela o fato de aceitar ou não a critica.

Convivo com diferentes pessoas e culturas e aprendi, nesses 30 anos, que não podemos agradar a gregos e troianos. A critica que recebemos dos felizes e infelizes, como diz a minha avó, deve ser analisada pelo seguinte ponto de vista: ela trará ou não trará algo de útil para você ?. Um ponto interessante em nossas vidas nos importamos menos com as críticas quanto mais envelhecemos, fazendo o que queremos e não estando nem aí para a opinião dos outros.

Vejam por exemplo as pessoas que chegam na crise dos 30 e dos 40 anos. Em minha opinião, estas pessoas ligam o velho e conhecido foda-se e querem fazer o que vier na cabeça, sem se preocupar com a opinião de ninguém. Quanto mais uma pessoa que chega aos seus 60 ou 80 anos.

O fato é que o ser humano deve se lembrar, constantemente, que estamos em um processo evolucionário, e a crítica é a forma de continuarmos este processo, seja ela boa ou ruim.

Contrariar uma pessoa aqui no Brasil, para muitos, é o mesmo que dizer que esta pessoa é burra. Brasileiros contrariados se sentem ofendidos. Suas opiniões são tidas como verdadeiras e imutáveis, onde o que os outros pensam não importa ou está completamente errado. Ledo engano, caros brasileiros. Nossas ideias sobre o mundo, política e civilidade estão completamente erradas.

Estamos anos-luz de distância de povos que discutem ideias entre si há séculos e possuem uma qualidade social e econômica muito diferente da nossa, e vocês sabem por que ? Se as pessoas não discordam com uma coisa, elas falam, expõem e discutem. Caso isso que estou falando fosse diferente, nós não elegeríamos tantos corruptos, bandidos e salafrários. Não teríamos tanta miséria e desigualdade.

Se eu não concordo com uma opinião ou ponto de vista, eu falo, mas de forma educada. Não sejamos ogros ou seres mal educados, até porque nós somos civilizados. Outro ponto que acho muito engraçado é a capacidade de criarmos deuses, gênios ou experts sobre um determinado assunto, onde tudo o que ele dizer está correto, é escrito com sangue e nunca poderá ter a sua opinião contrariada, já que ele, o semi-deus, sabe mais que nós, pobres mortais.

Pessoas fingem ser ignorantes para não passar aquela ideia de serem chatas ou cricri, frases como:  “Ele vai ficar sismado ou chateado comigo se eu discordar “ são ditas por aqueles que têm medo de se expressar. Vejo por exemplo alguns professores universitários. Eles apresentam de cara os seus títulos e trabalhos antes de falarem o seu próprio nome, dizendo que estão ali para ensinar, já que os alunos presentes não estão preparados, ainda, para discutir ou expressarem a sua própria opinião por não serem dignos deste ato, tido por muitos, quase místico.

O ato de entender ou aprender algo começa no momento que você discute o por que deste algo ser ou existir assim.

Compartilhar:

Este post tem 8 comentários

  1. Ótimo texto e concordo com você.

  2. Concordo totalmente, e ainda mais uma coisa, brasileiro em geral quer ser chefe de alguém, sempre é o “chefinho” de alguém, é nossa tradição do “gerente”…

  3. Apesar de nunca ter saído do Brasil, concordo em gênero, número e grau com tudo que foi dito no artigo.
    Sinto que muitas vezes minhas críticas não são bem-vindas, em alguns grupos sociais, e principalmente, empresariais. Alguns raros empresários, que têm a cabeça mais aberta, enxergam essa sinceridade como algo positivo; como ausência de medo para expor suas idéias. Eles sabem que reunir um grupo de pessoas assim numa equipe de trabalho, pode gerar ótimos resultados. Essa característica acaba por se tornar um plus em entrevistas de emprego. 🙂

  4. Ótimo artigo,

    no terceiro parágrafo, vc citou por aqui duas vezes.

    Abraços

  5. Apesar de termos que discordar, não tem o que discordar desse artigo.. hehe
    Espero que um dia essa realidade mude, e que a sociedade não aceite tão fácil as coisas que são impostas.. quem sabe o “jeitinho brasileiro” seja lembrado como um jeito que o brasileiro tem de mudar as coisas pra melhor.

  6. Infelizmente, a maioria dos brasileiros são incapazes de aceitarem certas verdades. Ele mal conseguem pensar por si. Uma pena.

  7. concordo em parte com seu texto,pois não acredito que o simples ato de criticar tenha tanto efeito em problemas arraigados na nossa cultura como corrupção ,que foi citado por vc , nem que somos menos “civilizados que outras culturas,achei isso preconceituoso. mas acho importante expor nossa opinião.

  8. Bravo!

Deixe uma resposta

Fechar Menu