Eu acho hilária essa corrida e essa quantidade de propaganda quanto ao fim de endereços IPv4, até parece que o mundo vai acabar e nada mais vai funcionar. Vamos a alguns esclarecimentos:

As empresas que sofrerão com a escassez de endereços IPv4 são aquelas que crescem em um ritmo acelerado quanto a oferta de serviços como acesso à Internet para usuários finais, leia-se ai empresas de telecomunicações. Há 5 anos essas empresas vêm comprando equipamentos que funcionam com IPv6, acontece que não havia interesse, até então, em habilitar esta funcionalidade e ela não tinha nem sido testada corretamente, não é porque essa tecnologia existe há 10 anos que ela não deve ser testada!.

Há também o caso dos países que possuem um crescimento expressivo quanto a quantidade de usuários/cidadãos que passaram a acessar à Internet, vejam que o Brasil teve um crescimento de mais de 22% no ano de 2010 e a China mais de 18% , porém no final as empresas de telecomunicações é que terão que se preocupar com estes números.

Nenhuma empresa em sã consciência irá migrar toda a sua rede interna para IPv6, eu ouvi em uma apresentação do IPv6.br que isso é simples e fácil de fazer. Bulhufas, vá fazer isso em uma rede com mais de 4.000 pontos, fora servidores, switches e uma incrível quantidade de sistemas legados, com certeza haverão problemas e o custo benefício é praticamente nulo para empresa que contratar essa migração.

Grandes empresas em todo mundo já iniciaram uma série de testes com IPv6 e tiveram vários problemas, proxies que não eram compatíveis, servidores DNS mal configurados e ai vai. Migrar de uma tecnologia para outra com um simples estalar de dedos é utópico, e senhores do IPv6.br, falar que migrar de IPv4 para IPv6 não é tão simples como vocês falam. Vamos ao elo mais fraco da corrente em TI, atendentes de Call Center, Help Desk ou suporte de primeiro nível:

Imaginem o atendente pedindo o endereço IPv6 da estação do usuário para acessa-la remotamente e resolver um problema ?! Será uma comédia, até o cara passar o ip correto e o atende conseguir acessa-lo, já se passaram mais de 15 minutos, pronto, estourou o SLA ou TMA (tempo médio de atendimento), quem vai pagar a conta ?!

Eu sempre digo duas coisas para todos os clientes, amigos ou alunos que me perguntam sobre a migração do IPv4 para o IPv6:

  • você mexe em time que está ganhando o jogo ?
  • você vai crescer tanto assim que vai precisar migrar toda a sua rede para IPv6 e assumir um custo auto de suporte e está preparado para os problemas que surgirão ?

Caso as duas respostas acima forem sim, ligue para o pessoal do IPv6.br, eles terão o prazer em enviar um manual e treina-lo para migração.

Compartilhar:

Este post tem 12 comentários

  1. Você já trabalhou em qual empresa de telecomunicações para falar que há 10 anos elas compram equipamentos ipv6 ready??
    Principalmente no brasil…

  2. Eu já alterei a informação de 10 anos para 5 anos 🙂

  3. Gustavo,

    O problema do IPv6, não é a migração em si, pois ela deve ser gradual e planejada. Não é simples, e desconheço quando o Nic.br diz que é simples, já fiz o curso presencial de IPv6 deles, não é tão simples. Se não o fez, recomendo, é muito bom (http://www.ipv6.br/IPV6/MenuIPv6CursoPresencial).

    O medo/pânico (chame do que quiser) consiste em que, como o estoque do IPv4 se esgotará, e isso é um fato… conteúdos começarão a aparecer somente em IPv6…

    Qual o problema disso? Se sua rede fala só IPv4, não terá acesso a esse conteúdo IPv6. Vai demorar anos? vai… mas será uma realidade.

    Pelo que tenho acompanhado nos cursos, gter, encontros lacnic, etc… Lacnic e Nic.br recomendam não a migração/troca, e sim a dupla existência, dual stack, até chegar o momento em que o IPv4 não terá utilidade mais.

    E aí que está o problema… equipamentos de grande porte já estão preparados… mas equipamentos mais simples, aidna não estão… vide a dificuldade de provedores de banda larga fornecer IPv6 para usuários não corporativos… existem poucas CPEs que suportam IPv6.

    É um assunto delicado, e concordo com o que você disse sobre atendimento/helpdesk e afins, mas essa é uma das menores preocupações… o buraco é mais embaixo.

    Abraços!

  4. Concordo com o que o giovane escreveu; a equipe do nic.br é bem cautelosa quanto ao processo de transição do ipv4 para o ipv6 e pelo o que tenho percebido a opinião deles é voltada para manter ilhas ipv4 se comunicando com ilhas ipv6 até chegar um momento de estabilidade do ipv6 que torne-se viável uniformizar a rede com ipv6.

    Além do mais, as empresas de telecomuniações que se prezam já deveriam trabalhando alguns anos no entendimento, aquisição de conhecimento e migração gradual desses protocolos.

    Att, Victor

  5. Sei, lá, se aparecer um novo Facebook da vida comendo uma faixa inteira de IPs a coisa pode ser bem ruim, e cara, pra essa nova empresa.

    Talvez agora não afete o usuário ou empresa média, daqui a uns 3 anos é que eu acho que vamos pagar o pato de ter empurrado com a barriga se nada for feito.

  6. Olá, Gustavo.
    A migração vai ter que acontecer em algum momento, também acho precipitada sair falando que o mundo vai acabar logo logo.
    Mas também é complicado ir empurrando o problema com a barriga até que venha uma ordem de cima pra baixo, obrigando todo mundo a sair correndo migrando redes.

    Lembre-se que o mundo é movido pelos maiores, quando o Google, Microsoft, Yahoo e Facebook falarem que vão para iPv6, seu telefone vai tocar até ficar vermelho pois os usuários vão querer acessar e ponto. E adivinha quem vai ter que resolver? Você, eu e todos os admins que comentaram aqui.

    t+

  7. Michel, concordo com vc, mas achar que as empresas irão acabar com o NAT e com uma série de outras tecnologias porque elas são ruins é brincadeira né. Trabalho em ambiente com mais de 50.000 servidores e jamais iremos tirar os NATs daqui, mexer em um ambiente estável e sem falhas está fora de cogitação. O mais interessante é a tentativa de evangelizar as pessoas quanto ao IPv6 dentro de suas casas falando: “todo mundo agora terá um ip válido e não precisará se preocupar com roteamento”, mas em.. ? tá maluco. 0.1% da população no mundo sabe configurar um firewall, imagine quando a galera começar a habilitar ipv6 em casa e esquecer do firewall.

  8. Olha é complicado, o ideal é usando dual stack até onde der, mas é melhor começar a testar com antecedência e ir gerando planos de contingência. Algumas pessoas estão deixando o problema para quando não tiver mais solução e não vejo futuro para esse tipo de atitude. Vide comentários nos fóruns do IpCop e do ClearOS (sistemas linux de firewall/roteador/proxy ), dizem “porque devemos implementar Ipv6? ele vai ser usado só daqui a anos e anos e anos ….”

    No mais, parece que a Oi já está implementando alguma coisa, os usuários do Velox já estão com acesso IPV6 parcial via tunnel 4to6 da Hurricane Eletric.

  9. Não concordo com o ponto de vista exposto. Não saímos da idade da pedra por que ficamos sem pedras, quanto a questão dos call centers, se um tem que pedir ao cliente o endereço ip de sua estação, quer seja ipv4 ou 6 talvez esse mesmo call center devesse rever sua forma de atendimento em primeiro lugar.

  10. Rapahel, falar é simples, o dia a dia é complicado. Reveja o procedimento de milhões de pontos de atendimento.

  11. Galera,

    Sem medinho por favor.

    Mal passamos da primeira etapa que é o esgotamento dos IPv4.

    Ainda tem o dual stack por longos e longos anos.
    Ninguém será proibido de usar nat, seja ipv4 dentro das empresas e IPs válidos usando IPV6… além de qualquer outra combinação que melhor convier.

    Já tivemos momentos piores sejam eles com perigos reais ou não (vide bug do milênio).
    Como já vi “muita água rolar por baixo da ponte de TI” posso afirmar com convicção que só cairão os apavorados, fracos e incompetentes.

  12. Isso ainda vai demora e muito a ser regularizar ainda mais nesse pais que tudo anda bem devagar, então não precisa de desespero gente, como disse nosso amigo JC, tem muita água pra rolar ainda gente, calma

Deixe uma resposta

Fechar Menu