Julho e Agosto são os meses do tão temido FeedBack, momento pelo qual todos aqueles que trabalham em empresas que possuem um RH um pouco organizado, passam pela reunião cara a cara com o seu líder, gestor, gerente ou diretor. É o memento de reavaliar o que você fez ou o que você não fez nesses últimos 6 meses.

Muitos acreditam que o FeedBack não serve para nada, somente uma perda de tempo onde você recebe um elogio ou uma bronca, prometendo melhorar a sua performance até o final do ano. Já algumas empresas levam muito a sério esta avaliação, utilizando-as em caso de avaliações negativas para justificar demissões, e em casos positivos para justificar promoções ou aumento de salários.

Todos nós temos algo para melhorar, seja o temperamento, a forma de falar ou trabalhar com as pessoas ou algo pessoal. Mas isso não vale para Bill Gates, Steve Jobs e Eike Batista, eles são deuses da criação, venda e do dinheiro. 🙂

Brincadeiras a parte, eu sou adapto a um feedback 360 graus, onde você é avaliado e o seu gerente também, não é caso de justiça mas sim de trabalho em equipe. Quando estamos no período escolar ou na faculdade, infelizmente  não aprendemos a trabalhar em equipe, a performance nesse período só depende de você.

Quando fazemos a transição para o mundo corporativo, transição essa que na maioria das vezes é feita via estágio, começamos a aprender a trabalhar em equipe, e constatarmos que dependemos um dos outros dentro de uma empresa para que ela chegue no resultado esperado, lucro.

O problema está na forma a qual somos avaliados, essa forma demonstra o quanto a empresa que você trabalha é séria ou leva a sério o desempenho dos seus profissionais. Se a avaliação é feita com o preenchimento de uma documentação a qual você tenha acesso para revisar e colocar a sua réplica, por um sistema onde várias pessoas do seu departamento expressam a sua opinião, ou por um programa terceiro (há empresas especializadas nisso), tudo bem.

Mas se somos avaliados simplesmente pelos nossos gerentes e estes não possuem preparo ou treinamento para tal, começa a dor de cabeça. Vários amigos começaram  receber os seus feedbacks, alguns bons, outros ruins e tiveram os péssimos, tão péssimos que resultaram na atualização de currículos na Apinfo, e outros casos mais extremos, um trabalho de Vudu ou colocar o nome do cara na boca do sapo.

O engraçado é que vários amigos relataram que a avaliação foi feita por gerentes terceiros, aqueles que não lidam com você no dia a dia. Foram feitos elogios e ficou entre bom para excelente a avaliação por parte destes gerentes, mas o cara recebeu uma péssima avaliação, as explicações do gerente direto passam do:

  • A culpa foi da redação ou forma que foi colocada uma frase.
  • a avaliação está certa, você pode se superar.
  • Não sei por que isso aconteceu, vou verificar para que não ocorra da próxima vez.

Eu sou da seguinte opinião: se a empresa não te valoriza, você recebe de seus colegas e amigos um bom feedback, não será o gerente que vai te motivar, promover ou te melhorar, mas sim um novo emprego. Ser gerente é saber cuidar de gente, mas tem gerente que não sabe cuidar de si mesmo, quanto mais de pessoas.

Trabalho em uma empresa que os gerentes dão bons Feedbacks, sejam positivos ou negativos, eles sabem falar com os seus funcionários, isso gera respeito e comprometimento. O time é mais unido, pois no final todos desejam a mesma coisa: ir para casa, colocar a cabeça no travesseiro e dormir sem problemas ou celulares tocando na madrugada.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

Fechar Menu