Navegando pelos fóruns, blogs e urls da vida, acabei encontrando este interessante post –  Curso “Hacker” e a moda de “Security Learning”. De forma resumida, o seu ator, no auge dos seus 23 anos muito bem vividos e com larga experiência no mercado de ti e segurança – piada, é claro – desabafa as mazelas de encontrar uma série de cursos focados em como hacker pela internet e posts via facebook.

Suas angústias, problemas financeiros e familiares são descritos com riqueza de detalhes, já que ele, o autor deste post, não encontra o espírito hacker. Mas  espera um momento, que porra de espírito hacker ele deseja encontrar no Brasil ?!?!

Rapaz, antes de mais nada, pegue uma grana e vá dar uma volta pelo vale do silício. Depois, participe de uma edição do Chaos Computer Club. E por fim, dê uma passada no Bsides de Las Vegas. Daí, com essa bagagem internacional e um pouco de visão multi-cultural, vc, jovem “hacker”, poderá entender o que é o espírito hacker.

Vc precisa comparar pessoas, ambientes, estilos de vida para saber o que é um espírito, um norte ou uma forma de viver. Caso contrário, vc está comparando merda com resto de comida. Desculpa, pois para mim é isso q sai, e muito, da comunidade brasileira de segurança da informação

Até concordo com vc, e com o Alan Sanchez, que hoje há 50 moleques vendendo cursos de como hacker o absorvente íntimo da irmã do vizinho por R$ 50,00. E pior, tem nego pagando. Mas isso é motivo de não deixar o cara vender o seu peixe, de tentar vender um pouco daquilo que ele aprender ?

E no final das contas a culpa é de quem, do idiota que vende ou do maluco que compra ?

Para mim, o pior disso tudo isso é assistir a panelinha que o mercado de segurança da informação brasileiro criou com uma série de figurinhas carimbadas em eventos, que mentem descaradamente e atacam, de forma ridícula e descabida, aqueles que não os tratam como deuses. Pior, passam um conhecimento tão pífio, tão básico, que o cara que está assistindo da platéia, por falta de base, acha o máximo.

Coloca este Deus brasileiro para falar no meio de um time de segurança da informação de uma Google ou Facebook da vida para ver o que acontece, e pior, filma a reação do público.

Vc deveria é atacar a panelinha e não a forma como o conhecimento é disseminado.

Rapaz, sou da época que tinha que ler Barsa para fazer trabalha de escola, onde eu não tinha dinheiro para comprar o primeiro volume, assim como milhares de outros estudantes.

Computador era coisa de gente rica. Mesmo assim, trabalhei e comprei o meu. Sendo assim, aproveito, e muito, as facilidades que a tecnologia nos proporciona e assumo, que como muitos outros, tornei-me preguiçoso para uma série de assuntos e temas.

Hoje, graças ao google, youtube e a wikipédia, até a minha avó sabe hackear. E no final, o que isso tem de ruim ?

Para mim nada, e sabe por quê ? Porque qualquer pessoa, desde da mais humildade até a mais rica, com acesso à internet e um computador fuleiro, poderá acessar qualquer tipo de informação, assistir qualquer vídeo ou curso da sua casa ou da rua, e aprender a “hackear”. Este conhecimento não é uma Santo Graal. Ele não pode ser possuído ou controlado por pessoas X ou Y, como é defendido em alguns eventos brasileiros.

Uma nota: Hoje, eu vi um morador de rua, sentando na Av. Paulista, com um notebook, assistindo um vídeo sobre matemática, já que ele estava utilizando o acesso à internet e a energia elétrica do fran’s café.  Foto abaixo comprovando, pois hoje, tudo nesta porra tem que ter prova,né. — agradeça ao facebook e redes sociais.

IMG_8129

E contarei mais sobre este cara. Ele sabe ler, escrever e possui uma capacidade de análise crítica e lógica que muito palestrante de evento conhecido de segurança brasileiro não sonha em ter. Mas mora na rua. Teve os seus problemas e as pessoas passam rindo da cara dele.

Eu, de terno e gravata, ajoelhei e perguntei se ele estava precisando de alguma coisa, pq para mim, ser hacker é isso, ajudar, compartilhar conhecimento, tentar melhorar o sistema, mesmo que vc tenha que burla-lo…

Este morador pode ou não ser um hacker ? Ele precisa fuçar e seguir a sua cartilha ou de qualquer outro zé mané.. ???

Dito isso, retorno para a análise do texto e penso quanto ao paradoxo criado com o link do curso/treinamento http://www.securitytube.net/, o qual o seu criador cobra US$ 39.00 e a frase quem sabe fazer faz, quem não sabe, ensina – a qual vc disse ter vindo do Fernando Mercês, que por acaso começou a carreira dando aula na 4linux, uma conceituada escola de cursos focados em Linux. (confesso que não acredito que o Mercês tenha a dito esta frase).

Rapaz, “hackear” é uma coisa e passar conhecimento é outra totalmente diferente, pois essa última precisa ser possuidor de um dom fora de série. A paciência de mão dadas com a tolerância.

Outro paradoxo – vc só é um hacker se um outro o diz. E isso n eh importante, anyway. Espera, quem de verdade pode ser considerado um hacker e quem pode conceder este título à outra pessoa ?

Que porra é essa, monarquia britânica em que a rainha da Inglaterra concede o título de Sir aos pseudo-merecedores ?

Se for assim, Newton foi um hacker e vc, está longe de ser a unha encravada dele.

O fato é, vc quer/deseja ser um hacker ? Então seja!!

Vc não precisa da aprovação dos outros. Faça o seu melhor, estude, se esforce. Mas nunca se esqueça, o conhecimento é algo maravilhoso, e deve sim ser compartilhado. Daí a necessidade de ensinar.

Está irritado com a vida, com o trabalho, com a namorada ? Eu também estou, mas nem por isso defendo que o conhecimento deve ser controlado por x ou y, que as pessoas são todas babacas e o ego é que fode tudo.

Rapaz, o EGO sempre fodeu e continuará fodendo com a porra toda. Qualquer livro básico de história vai lhe dizer isso. Mas resta a nós mudarmos isso.

Para isso, só basta uma coisa, vc, eu, todos pararem de reclamar e fazer acontecer, mas ensinando aos outros e tendo paciência.

Compartilhar:

Este post tem 6 comentários

  1. Rsrs… Já vi as trapalhadas desse Danilo, não li todo o post dele pois não sou fluente em “mimimi”. Concordo em vários pontos, só não acredito que precise ir para Las Vegas para ter o tal “espírito hacker “. kkk

  2. concordo com alguns pontos … ano retrasado realizei um sonho d ir na defcon e pude repetir esse ano (tentei chegar antes p bsidesvg mas nao consegui!!! pena) posso dizer q o clima q envolve aquela porra toda é muito diferente d alguns eventos daqui … acho q é pq meu ingles é uma bosta – seria por isso q nao entendo porra nenhuma??!? – talvez em algumas vidas eu tenha capacidade d palestrar na bsidesSP (q é da hora!) enquanto isso vou tentando aprender e passar p frente algo sobre o q não fazer nessa vida
    eu mesmo ja fiz alguns cursos desses e obviamente meu objeto nao é me tornar um hacker!!! (ohhhhhhhhhhh!) tenho problemas em concentração então um livro q perderia 2hrs lendo, eu normalmente perco 5, 6 hrs lendo, relendo, relendo, relendo entao um video d 1hr com o cara falando e mostrando eu saco mais rapido e dps vou passar la as 5,6 hrs tentando simular, testar a bagaça
    muitas vezes ñ replico uma duvida nas listas BR por causa dessa visão q ocorre por aqui… pq perderão mais tempo me aloprando do q me ajudando a entender algo

  3. Grande post Gustavo! Apesar de ser novo, estou no mercado de TI a alguns anos e sempre passo em seu blog para buscar conhecimento e também porque o seu pensamento sobre a área de tecnologia assemelha-se muito ao meu. Menos mimimi e mais trabalho/estudo! Um abraço, aguardando a “nova cara” do blog que foi prometida!

  4. Opa e ai Gustavo!

    Concordo com seus comentários. Uma coisa que venho notando é que essa suposta garotada que quer aprender a ser hacker não tem a mínima vontade para pesquisar e aprender, preferem pagar para que alguém as ensine e de tudo na mão, esse é um dos principais pontos na minha opinião de ter tanto cursinho assim anunciando transformar qualquer pessoa em um hacker.

    Já perdi a conta de quantas vezes vieram pedir pra mim coisas estupidas como, por exemplo, como configurar virtualbox, o que é IDS, o que é /24 no final do IP, e outras milhares. A maioria nem tenta procurar do que se trata e tentar caminhar com as próprias pernas, esperam que alguém vai chegar e dizer pra eles tudo que precisam. Sem contar que indicar um livro pra ler é a maior ofensa que pode fazer “onde já se viu um “hacker” ter que ler livros? Vejo um tutorial no youtube, baixo a ferramenta e já sou hacker” (a frequência que escuto isso é assustadora).

    Então resumindo, informação tem em todo lugar e de forma publica e gratuita, mas vontade de pesquisar e estudar estão cada vez mais raros.

    Outro ponto que me irrita profundamente é ver pessoas anunciando coisas como “os maiores segredos hacker nunca antes revelados”, ganhando dinheiro e influenciando uma quantidade grande de leigos e iniciados da área a usar apenas LOIC, Havij e outros do gênero e achar que isso é ser hacker.

    Sobre a panelinha que você sempre comenta, trabalho a pouco tempo na área, mas aos poucos estou começando a notar esse tipo de coisa.

  5. Só uma palavra: perfeito.

  6. O engraçado da comunidade de segurança da informação do Brasil é que a maioria nem sabe programar.

Deixe uma resposta

Fechar Menu